domingo, 23 de agosto de 2009

O prazer da promenade

Hoje estou dando muito carinho para mami... O fim de semana foi frio e parcialmente cinza no Rio. Ela me disse que queria que a vida fosse sempre como o quadro Promenade, de Chagall (acima), mas que às vezes a vida acaba se parecendo mais com o Grito, de Munch. Virei para ela e disse que a sabedoria é encontrar leveza para viver os dois momentos, sabendo que são os altos e baixos que embelezam a nossa tela de pintura.

***


Ah, e ganhei um selinho lindo do Petetecos! Obrigado pelo carinho!

8 comentários:

  1. Que fofis! Que mami e cat cultos ;) Parabéns pelo selinho! Um beijinhO!

    ResponderExcluir
  2. Bem visto, Teo. Gosto das tuas reflexões.

    ResponderExcluir
  3. Grande sabedoria, Teo, coisa que só vocês felinos sabem nos ensinar. O meu pobrema é que a cabecinha é dura... Eu saí do caos infernal de Bosch (sem Prozac), mas não consigo superar o vazio de Hopper. Tudo é tão deserto e vazio. Vcs podem me dar uma patinha pra superar mais essa, por favor?

    ResponderExcluir
  4. LuMa, há momentos em que o caos de El Bosco e as reflexões sobre o vazio e a solidão de Hopper são necessárias... O importante é continuar potente para sair dessa mais forte ainda. Como diria Nietzsche, o que não mata, fortalece!

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu pensamento... Me sinto meio cabisbaixas às segundas-feiras: volta à rotina, listas de coisas pra fazer, compromissos pela frente, algumas cobranças e pressões, saudades do final de semana... mas felizmente existe a terça-feira logo depois!!!! Beijão!

    ResponderExcluir

Curtiu?