segunda-feira, 1 de junho de 2009

Ainda sobre a efemeridade da vida

Esta tragédia com o Airbus da Air France me fez pensar mais uma vez sobre a efemeridade da vida. Estranho pensar como, em segundos, tantas vidas desapareceram; como um instante de felicidade pode se transformar em um imenso vazio; como a dúvida pode doer mais que a certeza. Muita força para aqueles que perderam seus queridos. 

9 comentários:

  1. por isso que dizem que a gente tem que viver intensamente. só não sei como... não posso parar de trabalhar!

    ResponderExcluir
  2. É, somos um frágil graozinho de poeira no universo. Por isso não entendo a arrogância e prepotência de certas pessoas: elas são graozinhos como todas as outras... Também me solidarizo com as milhares de pessoas afetadas pela perda de familiares e amigos nesse voo. Bjs

    ResponderExcluir
  3. também penso em como cada um de nós tem sua própria hora... desejamos muita força aos familiares!

    ResponderExcluir
  4. Oi Teo, fofinho. Como um bom gatinho, sempre filosófico... O diálogo silencioso entre você e a sua mami deve sempre girar em torno de reflexões e grilos existenciais como a efemeridade da vida, não é mesmo? Te compreendo. Hoje mesmo eu conversava com a Pepa, a minha amiga de pelos. Muitos anos atrás, me safei de um acidente aéreo tbém. A gente aprende a medir a própria existência através de tragédias como esta tbém. Somos quase sempre felizes mas não sabemos. A minha amiga tbém concordou comigo, fazendo um aceno com o focinho. Só isso já é pra lá de felicidade pra mim. Beijos da Luma e da Pepa.

    ResponderExcluir
  5. É verdade. Temos que ter muito claro o que é realmente importante...

    ResponderExcluir
  6. é verdade...temos que valorizar mais as coisas lindas do dia a dia..pq nunca se sabe!

    ResponderExcluir
  7. Essa tragédia me abalou muito porque morro de medo de avião, apesar de amar viajar. Eu não seria justa comigo mesma se deixasse de fazer o que mais gosto na vida por causa do meu medo. Então topo encarar o sacrifício porque a gente nunca sabe quanto tempo ainda tem por aqui e acho que temos que aproveitar cada momento e fazer o que a gente gosta sempre que possível. Eu chorei ao ver alguns familiares sendo entrevistados e relatando sua dor, mas também fiquei com o coração apertadinho ao pensar no sofrimento das vítimas no momento do acidente. Estou com um nó na garganta a semana toda...

    ResponderExcluir

Curtiu?