segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O amor também deve ser aprendido

*Que se passa para nós no domínio musical? Devemos em primeiro lugar aprender a ouvir um motivo, uma ária, de uma maneira geral, a percebê-lo, a distingui-lo, a limitá-lo e isolá-lo na sua vida própria; devemos em seguida fazer um esforço de boa vontade — para o suportar, mau-grado a sua novidade — para admitir o seu aspecto, a sua expressão fisionómica — e de caridade — para tolerar a sua estranheza; chega enfim o momento em que já estamos afeitos, em que o esperamos, em que pressentimos que nos faltaria se não viesse; a partir de então continua sem cessar a exercer sobre nós a sua pressão e o seu encanto e, entretanto, tornamo-nos os seus humildes adoradores, os seus fiéis encantados que não pedem mais nada ao mundo, senão ele, ainda ele, sempre ele. 

Não sucede assim só com a música: foi da mesma maneira que aprendemos a amar tudo o que amamos. A nossa boa vontade, a nossa paciência, a nossa equanimidade, a nossa suavidade com as coisas que nos são novas acabam sempre por ser pagas, porque as coisas, pouco a pouco, se despojam para nós do seu véu e apresentam-se a nossos olhos como indizíveis belezas: é o agradecimento da nossa hospitalidade. Quem se ama a si próprio aprende a fazê-lo seguindo um caminho idêntico: existe apenas esse. O amor também deve ser aprendido. 

Friedrich Nietzsche, in "A Gaia Ciência"



Quando olho fotos de totós e bichanos, juntos em perfeita harmonia, sintonia e alegria, lembro deste texto do Nietzsche. O amor deve ser aprendido - e, quando o é, ele é poderoso e fiel. 



* Fotos do blog Pets na Casa, da matéria de Raquel Godoy sobre a convivência de cães e gatos.

3 comentários:

  1. lindo... simples assim.
    então, linda semana pra vocês : )

    ResponderExcluir
  2. Queria eu que minha cadela e meus gatos se dessem bem assim! =)

    Bjs

    ResponderExcluir

Curtiu?